Opinião

O Brasil real tem fome de tudo

E gente com fome já não tem mais nada a perder.

Por Tainara Hanke

Há 13 anos realizo uma jornada incansável na realidade de um Brasil invisível. Este Brasil é composto por milhões de pessoas que não possuem documentos, e quando possuem, falta o nome do pai.

Esse povo “vadio”, que habita esta nação ausente, nunca assinou carteira. Vive de “bico”. Sua única renda certa, quando consegue, são os 89 Reais do Bolsa Família.

Esse povo despolitizado não vota porque perdeu o interesse, pois não vê perspectivas de mudança na política, ou simplesmente porque perdeu o título de eleitor e não tem dinheiro para ir até o cartório fazer outro, ou para pagar a multa por não ter votado nas últimas eleições.

As pessoas deste Brasil “ignorante” estudaram até o quinto ano, porque tinham que ajudar os pais a rachar lenha e carpir o lote, ou porque foram abandonadas por suas famílias miseráveis e precisaram se virar sozinhas. 

Estes sujeitos deste país precário moram em casa de compensado, sem chuveiro, sem vaso sanitário e com apenas um “gato” da luz do vizinho.  Quando vão no postinho com dor nas costas de tanto trabalhar, recebem ibuprofeno 600 mg e são mandados embora. Se for mulher, então recebe a chamada ” injeção” para não ver aumentar a pobreza tendo mais filhos.

Esta real nação brasileira – pobre, parda, “feia” e doente – só é vista em duas situações: quando aparecem na página policial ou no jornal sensacionalista da Record.

Um Brasil que, entra governo e sai governo, pouca coisa muda. Um Brasil que sempre catou comida no lixo, mas que hoje não acha mais nem comida nem na lixeira para comer. Um Brasil que tem fome, que está desde sempre desempregado, que tem a chuva pingando no seu colchão, que não sabe do preço da luz porque nunca teve casa para ter ligação elétrica. Um Brasil que não vai ao supermercado, porque tem como cardápio apenas “o que sobrou” da mesa de alguém.

Gente branca desfilando com bandeiras em suas 4×4 não me incomodam. Nem seus outdoors com o genocida estampado. Esta pseudoelite brasileira é apenas um fragmento de um Brasil bem maior.

O pequeno Brasil deles só existe nas suas fantasias infantis, imaginadas dentro de suas confortáveis casas, cercadas de muros altos, equipadas com sofisticados sistemas de alarme e protegidas por seguranças armados, porque no fundo eles sabem que a grande maioria do Brasil tem fome. E gente com fome já não tem mais nada a perder… É disso que eles têm medo.